NOTÍCIAS

27 de junho de 2019

Parceria Brasil-China no setor de infraestrutura é tema de estudo

Catavento analisa os principais desafios e oportunidades de uma parceria entre Brasil e China no setor de infraestrutura

No âmbito do Grupo de Infraestrutura do CEBRI – Centro Brasileiro de Relações Internacionais -, a Catavento elaborou o white paper – ” Logistics infrastructure in the Southeast region: an anlysis of possible paths for a partnership between Brazil and China” – centrado em duas temáticas principais, infraestrutura logística e parceria Brasil-China. No primeiro capítulo, foram analisados os principais desafios e oportunidades para o desenvolvimento da infraestrutura logística no Brasil, com foco na região Sudeste, destacando seus impactos na competitividade econômica do país. No segundo capítulo, buscou-se identificar as principais barreiras e possíveis oportunidades para o fortalecimento da parceria Brasil e China no setor de infraestrutura.

O estudo foi elaborado a partir de desk research, entrevistas com especialistas e duas mesas-redondas. O desk reserch focou nos dois principais pilares do estudo. Diferentes aspectos relacionados com infraestrutura foram mapeados, entre eles os potenciais impactos na produtividade e competitividade de um país, as demandas por investimentos no Brasil e os principais gargalos logísticos da região Sudeste. Adicionalmente, foram analisadas as características e os objetivos dos investimentos Chineses no Brasil, assim como as barreiras mais relevantes para seu desenvolvimento.

Durante a segunda fase do projeto, foram entrevistados diversos especialistas do setor privado, público e academia. Os especialistas foram selecionados considerando suas áreas de conhecimento – 05 especialistas em infraestrutura e logística e 05 especialistas nas relações Brasil e China.

Por fim, a elaboração do white paper se beneficiou dos inputs captados em duas mesas-redondas com especialistas e executivos seniors. A primeira – “Infraestrutura logística na região Sudeste: desafios e oportunidades para atração de investimentos” – foi realizada no dia 26 de março no CEBRI. Clarissa Lins, sócia fundadora da Catavento e senior fellow do Núcleo de Infraestrutura e Energia do CEBRI, moderou o debate que contou com a participação de Mauro Viegas Neto, Presidente da Concremat Engenharia e Tecnologia, Marcello Allain, Sócio e Diretor da BR Infra Group e Eduardo Costa, Gerente de Logística do BNDES. O debate buscou identificar os principais gargalos logísticos da região Sudeste, assim como as principais oportunidades de investimentos.

A segunda mesa-redonda – “Brazil and China: fomenting a long-term partnership in the infrastructure sector- Opportunities in the Southeast region” – foi realizada no dia 6 de maio no CEBRI. André Clark, coordenador do núcleo de Infraestrutura do CEBRI, CEO e Presidente da Siemens Brasil, moderou o debate que contou com a participação de diferentes especialistas. A abertura do evento contou com a participação de Anna Jaguaribe, coordenadora do Núcleo China do CEBRI, e do Embaixador Marcos Caramuru, sócio da Consultoria KEMU. Após as considerações iniciais, foram realizados dois painéis que contaram com a participação do Embaixador Luiz Augusto de Castro Neves, Presidente do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC), TaoTao Chen, Professora de Negócios Internacionais na Universidade de Tsinghua, Renato Baumann, Subsecretário de Investimentos Estrangeiros da Secretaria-Executiva da CAMEX e Miguel Flaksman, Diretor Executivo na BOCOM BBM. O debate teve como objetivo identificar caminhos possíveis para o desenvolvimento da parceria Brasil e China no setor de infraestrutura.

Tendo como base os principais inputs captados nas etapas do projeto, o estudo concluiu que o setor de infraestrutura logística pode se beneficiar de uma visão de longo prazo, capaz de identificar projetos prioritários, assim como o desenvolvimento de uma governança que fortaleça a integração entre os diferentes atores e elos do setor. Esses direcionamentos têm a capacidade de criar um ambiente mais atrativo para investimentos privados e estrangeiros.

Nesse sentido, há uma oportunidade para se beneficiar dos novos direcionamentos da China com relação aos investimentos diretos, que atualmente seguem uma lógica mais alinhada com as práticas tradicionais de mercado – busca por retornos financeiros. Dito isso, a expertise Chinesa em infraestrutura, assim como a disponibilidade de recursos, pode contribuir diretamente para o desenvolvimento de uma infraestrutura moderna e sustentável no Brasil.

O estudo completo (inglês) pode ser baixado aqui. Para acessar a apresentação com os principais mensagens do estudo, clique aqui.